Como entender o resultado de exame de sangue

Por: - Farmacêutica Bioquímica - CRF-SC 3380
Publicado em 04/07/2019

Como entender o resultado de exame de sangue

Interpretar o resultado do exame de sangue é uma tarefa do médico especialista que solicitou a análise clínica. Mas que nunca ficou um pouco curioso para entender o que os aquela série de números querem dizer sobre nossa saúde?

Ouça este conteúdo:

 

No caso específico do  hemograma, o exame analisa a quantidade de células sanguíneas no corpo, como as hemácias, leucócitos e plaquetas, sendo possível identificar algumas disfunções como anemias, distúrbios na medula óssea, câncer, infecções e variações dos índices em pacientes com mais de 50 anos.

Dessa forma, o hemograma analisa diferentes variações do sangue, incluindo as quantidades dos elementos que o compõe. Ele identifica doenças como anemia e infecções no sangue. Assim, para entender o exame de sangue é importante saber contar as hemácias e leucócitos, bem como as concentrações de hemoglobina.

Valores de referência para o hemograma completo

Os valores de referência para o hemograma completo estão baseados nas taxas presentes em 95% da população mundial sadia. Mas pode haver variações pequenas, para mais ou para menos, que, contudo, não significam, exatamente, que o paciente tenha alguma doença. Essas variações, geralmente, estão ligadas ao sexo e à idade. Além disso, é possível observar diferenças nos valores, dependendo do laboratório onde foi feita a coleta.

Quando há presença de infecção no organismo, nota-se o aumento dos leucócitos. Quando há sinais de alergia, verifica-se o aumento dos eosinófilos. Mas é importante que a interpretação do exame seja realizada por um médico, pois somente ele poderá levar em consideração os sintomas que o indivíduo apresenta.

Quando o exame deve ser feito?

O hemograma completo normalmente é requisitado como um exame de rotina, para verificar a saúde geral do paciente. Entretanto, o médico também poderá solicitar o teste para detectar a causa de alguns sintomas ou doenças, como:

  • cansaço;
  • fraqueza;
  • sangramento intenso da pele, nariz ou gengivas;
  • manchas roxas grandes ou em grande quantidade;
  • infecções ou inflamações;
  • policitemia;
  • doenças do sangue.

Além disso, o exame também pode ser feito para verificar se o corpo está reagindo bem a um tratamento medicamentoso ou à radiação, bem como se os valores das células estão normais antes de uma cirurgia, ou mesmo para analisar a quantidade de sangue perdida em uma hemorragia.

Como interpretar o eritrograma

A primeira parte a ser analisada em um hemograma completo é o que chamamos de série vermelha ou eritrograma. Nessa etapa do exame de sangue serão verificados os números de hemácias e a concentração de hemoglobina. Assim, é preciso saber que:

  • Hemácias: são os glóbulos vermelhos, que possuem seus valores indicados de acordo com o sexo e a idade (esses valores são descritos pelo próprio laboratório no resultado do exame). Se o exame de sangue apresentar níveis baixos dos glóbulos vermelhos pode ser um indicativo de anemia normocítica, quando as hemácias têm um tamanho normal, mas a produção da célula é pequena. Já os valores altos, chamados de eritrocitose, pode ser indicador de policitemia, que é o oposto da anemia, podendo aumentar a espessura do sangue e diminuindo a velocidade de circulação.
  • Hemoglobina: de coloração vermelha, a hemoglobina caracteriza-se por uma proteína presente nas hemácias, responsável pelo transporte de oxigênio no organismo. Se o exame de sangue apresentar níveis baixos de hemoglobina há um descoramento do sangue, palidez e deficiência de oxigênio em todos os órgãos.
  • Hematócrito: é a porcentagem da massa da hemácia em relação ao volume sanguíneo. Seus valores abaixo do normal podem indicar anemia e os valores aumentados podem caracterizar um caso de policitemia.
  • Volume Corpuscular Médio (VCM): é importante para observar o tamanho das hemácias, principalmente no diagnóstico da anemia. Geralmente, no exame de sangue, vem explicitado o tamanho anormal das hemácias, onde ambas indicam algo errado. Essas alterações são denominadas de microcíticas (hemácias pequenas) e macrocíticas (hemácias grandes).
  • Hemoglobina Corpuscular Média (HCM): consiste no peso da hemoglobina dentro das hemácias e seus valores ajudam a decifrar casos distintos de anemias.
  • Concentração de hemoglobina corpuscular média (CHCM): é a concentração da hemoglobina dentro de uma hemácia. No exame de sangue, pode ser descrita como hipocrômica (pouca hemoglobina na hemácia) ou hipercrômica (quantidade hemoglobina além do normal).

Como interpretar o leucograma

A segunda parte do hemograma é chamado de série branca ou leucograma. O objetivo do exame de sangue nessa etapa é avaliar a quantidade e a presença dos glóbulos brancos e a diferenciação celular. Assim, os leucócitos são diferenciados em cinco tipos em um hemograma completo e seus resultados colaboram para o esclarecimento e diagnóstico de doenças infecciosas e hematológicas.

  • Leucócitos: aos valores altos de glóbulos brancos, dá-se o nome de leucocitose e diz respeito a uma suposta infecção ou indicar outras doenças. Já a contagem baixa de leucócitos, chamada de leucopenia, assinala a depressão da medula óssea e pode indicar infecções virais ou reações tóxicas.
  • Basófilos: em pacientes normais, encontra-se 1% desse valor, ao passar disso, há uma indicação de processos alérgicos.
  • Eosinófilos: seu valor excedido no exame de sangue pode indicar infecção por parasitas ou alergias.
  • Neutrófilos: o alto valor de neutrófilos pode indicar que o corpo foi infectado por bactérias.
  • Linfócitos: caso estejam elevados pode se referir a infecções virais ou até mesmo leucemia.
  • Monócitos: o número elevado de monócitos pode indicar infecções virais. Em casos de quimioterapia, esses valores também podem ser alterados.
  • Plaquetas: responsáveis pela coagulação sanguínea. Se estiverem em baixo número, pode indicar problemas na coagulação sanguínea, como diabetes e dengue.
  • Bastonetes: a normalidade indica valores nulos ou baixos, por isso, se estiverem aumentados, pode estar indicando a presença de doenças infecciosas bacterianas.

Exame de sangue: precisão com o médico especializado

É importante reforçar que, mesmo que você compreenda as etapas e os valores de referência em um exame de sangue, apenas o médico poderá avaliar seus resultados e promover um diagnóstico. Isso porque os resultados só são corretamente interpretados quando vistos em relação com outros exames laboratoriais, bem como com os sintomas apresentados pelo paciente e seu histórico médico.

Isso quer dizer que é importante compreender a leitura do hemograma, mas deve-se tomar cuidado para não se precipitar com as análises. Por isso, tire todas as suas dúvidas com o médico.

Ainda tem alguma dúvida sobre o hemograma?

Mande sua pergunta para o WhatsApp do LabVW!

Inscreva-se em nossa newsletter

Receba mais informações sobre cuidados para a saúde em seu e-mail.

Material escrito por:
Farmacêutica Bioquímica - CRF-SC 3380

Adriana Helena Sedrez é farmacêutica bioquímica especialista em Microbiologia Clínica pela PUC-PR. Na LabVW, Adriana coordena o setor de Hematologia Clínica, é gerente de Recursos Humanos e responsável pelo Atendimento ao Cliente.

Veja também: