A importância do hemograma completo para mulheres grávidas - LabVW

Por: - Farmacêutica Bioquímica - CRF-SC 3380
Publicado em 16/03/2019 - Atualizado 04/04/2019

Hemograma completo de mulheres grávidas: a importância de realizá-lo durante o pré-natal

Hemograma completo de mulheres grávidas: a importância de realizá-lo durante o pré-natal

As mulheres grávidas estão cercadas de questões sobre a saúde do bebê. Mas você sabe a importância de realizar o hemograma completo durante o pré-natal?

 

Dentre todos os testes laboratoriais exigidos no período gestacional, o hemograma completo é um dos mais importantes e que, provavelmente, acompanhará a grávida durante toda a gestação.

 

Continue lendo o artigo e saiba os motivos que tornam esse exame indispensável durante a gravidez.

Mulheres grávidas e a importância do hemograma completo

A importância de realizar o hemograma completo durante o pré-natal de gestantes se dá pela necessidade de verificar o andamento da saúde da mamãe o que, consequentemente, vai influenciar no nascimento de um bebê saudável.

Como sabemos, a gestação está associada a inúmeras transformações no corpo humano, que apresenta mudanças fisiológicas e anatômicas.

 

Por exemplo, o útero é um órgão que se modifica profundamente, já que se dilata e hipertrofia, o que requer uma maior vascularização sanguínea. A placenta também cresce progressivamente, aumentando o número de vasos sanguíneos.

 

Dessa forma, graças a esse exame, é possível fazer uma avaliação precisa de todos os compostos presentes no sangue, como os glóbulos vermelhos, os glóbulos brancos e as plaquetas. Ao analisar com detalhes esse teste laboratorial, o médico responsável pode identificar uma série de ameaças à saúde da grávida e do bebê.

 

Conheça como os componentes do sangue podem dizer sobre a saúde da mulher grávida:

Problemas que podem ser identificados pelo hemograma completo

Os glóbulos vermelhos são importantes para avaliar se a gestante está com anemia, doença que indica a falta de ferro no sangue. A anemia pré-natal é a doença mais comum no período gestacional, que pode ainda ser afetada pela hemorragia durante o parto e pós-parto imediato e tromboembolismo no puerpério.

 

A análise das plaquetas indica o funcionamento da coagulação sanguínea e a contagem dos glóbulos brancos auxilia na identificação da saúde do sistema imunológico, verificando se há presença de alguma infecção dentro organismo.

 

Mas qual o período ideal para iniciar esse controle por meio do hemograma completo?

Quando é solicitado o hemograma completo para a gestante?

O hemograma completo sempre é solicitado pelo médico nas primeiras consultas do pŕe-natal, mais precisamente logo no 1º trimestre da gestação, antes de 13 semanas.

 

Também pode ser indicado novamente no segundo ou no terceiro trimestre da gravidez, de acordo com a conduta do profissional e mediante cada caso individual.

Resultados do hemograma completo em gestantes

Para saber se os resultados do hemograma completo apresentam valores saudáveis, é necessário verificar se os números do exame estão equilibrados. Os resultados considerados ideais de um hemograma completo para uma gestante saudável são:

  • glóbulos vermelhos (hemácias): 3.800.000 a 5.200.000/mm3;
  • hemoglobina: 12.0 a 16.0 g/dL;
  • global de Leucócitos (glóbulos brancos): 4.000 a 11.000 /mm3;
  • plaquetas: 140.000 a 450.000/mm3.

Entretanto, caso os números apresentem em alterações, é importante investigar a sua .As razões para isso podem ser diversas, confira as mais comuns.

Resultados alterados do hemograma completo

Caso os glóbulos vermelhos ou hematócritos estejam mais altos do que o normal, podem sinalizar os seguintes problemas:

 

  • desidratação;
  • doença renal com alta produção de eritropoietina;
  • baixo nível de oxigênio no sangue por um longo tempo devido à doença cardíaca ou pulmonar;
  • policitemia vera;
  • tabagismo.

 

A contagem de glóbulos vermelhos ou hematócritos abaixo do normal, que ocasiona a anemia, pode ocorrer devido aos seguintes motivos:

  • doenças autoimunes, como lúpus eritematoso ou artrite reumatoide;
  • hemorragia;
  • insuficiência de medula óssea, como, por exemplo, a partir de radiação, infecção ou tumor;
  • doença renal crônica;
  • hemólise;
  • leucemia e outros tipos de câncer do sangue;
  • infecções de longo prazo, como a hepatite;
  • má alimentação e nutrição, causando deficiência de ferro, folato, vitamina B12 ou vitamina B6;
  • mieloma múltiplo.

Já a contagem de glóbulos brancos abaixo do normal é chamada leucopenia. Isso pode acontecer devido a algumas doenças autoimunes; insuficiência de medula óssea e à doença no fígado ou no baço.

Para a contagem de glóbulos brancos acima do normal, chamamos de leucocitose. Nesse caso, o quadro pode ser decorrente de:

 

 

  • doenças infecciosas;
  • doenças inflamatórias;
  • leucemia;

 

  • estresse físico ou emocional grave;
  • dano tecidual, como queimaduras.

 

Em relação à hemoglobina, se a gestante apresentar valores baixos de hemoglobina, é possível que esteja relacionado a anemia de diversos tipos e à perda de sangue por algum motivo.

 

A anemia durante a gestação acomete cerca de 40% das grávidas, sendo mais de 50% delas por deficiência de ferro. Por isso, merece muita atenção, já que é um quadro de risco para a mãe e o bebê.

Anemia na gravidez

A gravidez incorpora um sistema que inclui mãe, bebê e placenta, existindo, assim, um trio que necessita de todos os nutrientes básicos para se sustentar. Além disso, como dissemos anteriormente, a gestação é um estado que origina muitas alterações na fisiologia materna, incluindo alterações nos parâmetros hematológicos.

 

No período gestacional as mulheres encontram-se ainda mais propensas a desenvolver anemia, já que há um aumento de 50% do volume do sangue e, portanto, o ferro tende a se diluir ainda mais no organismo. Assim, para fins médicos, ela será diagnosticada com anemia quando a concentração da hemoglobina é inferior a 11 g/dL, no primeiro e terceiro trimestre da gravidez, e inferior a 10,5 g/dL, no segundo trimestre.

 

A anemia é uma condição em que não há glóbulos vermelhos saudáveis em número suficiente para o transporte adequado de oxigênio até os tecidos do corpo, de forma a satisfazer as necessidades fisiológicas do organismo. Saiba como essa doença pode afetar a saúde da mãe.

Como a anemia pode prejudicar a gravidez

A anemia pode causar um impacto bastante negativo na saúde da gestante, como o desencadeamento de:

 

  • insuficiência cardíaca;
  • hemorragia pós-parto;
  • predisposição para infecções;
  • atraso na recuperação pós-cesariana;
  • risco de embolia.

 

Além disso, quando o útero se encontra com carência de ferro, é possível que haja pequenas fragilidades nas fibras musculares, aumentando a dificuldade de contração do órgão.

Viu só a importância do hemograma completo para a saúde da gestante?

Marque já seu hemograma completo

É importante destacar que o hemograma completo é a análise clínica mais indicada para o diagnóstico de anemia durante a gravidez, já que permite quantificar o número de glóbulos vermelhos e a concentração de hemoglobina no sangue da gestante.

Por isso, durante o acompanhamento pré-natal, a análise laboratorial desempenha um papel fundamental no diagnóstico de patologias que podem afetar a saúde da mãe e do bebê.

 

Aproveite para agendar agora mesmo o seu hemograma completo.

Você pode fazer o agendamento do seu horário ou solicitar uma coleta domiciliar.

 

Assista ao vídeo com Mariana Maestri, gerente técnica do LabVW Brusque, para conhecer mais exames realizados durante a gravidez.

Material escrito por:
Farmacêutica Bioquímica - CRF-SC 3380

Adriana Helena Sedrez é farmacêutica bioquímica especialista em Microbiologia Clínica pela PUC-PR. Na LabVW, Adriana coordena o setor de Hematologia Clínica, é gerente de Recursos Humanos e responsável pelo Atendimento ao Cliente.