A importância do hemograma completo para mulheres grávidas - LabVW

15.06.2018 | por

Hemograma completo de mulheres grávidas: a importância de realizá-lo durante o pré-natal

Hemograma completo de mulheres grávidas: a importância de realizá-lo durante o pré-natal

Realizar hemograma completo no pré-natal das mulheres grávidas é muito importante, pois serve para identificar como vai a sua saúde em geral. Durante uma gestação, o hemograma completo é a avaliação de todos os compostos presentes no sangue, como os glóbulos vermelhos, os glóbulos brancos e as plaquetas.

Os glóbulos vermelhos são importantes para avaliar se a gestante está, ou não, com anemia, uma doença associada à falta de ferro no sangue. As grávidas são mais propensas ao problema, pois há um aumento de 50% do sangue e, portanto, o ferro se dilui ainda mais no organismo. Além disso, a análise das plaquetas indica como está a coagulação sanguínea e os glóbulos brancos ajudam a identificar como está o sistema imunológico e se há presença de alguma infecção dentro do corpo.

Quando é solicitado o hemograma completo para a gestante?

O hemograma completo sempre é solicitado pelo médico nas primeiras consultas da gestação, podendo ser repetido no segundo ou no terceiro trimestre da gravidez, de acordo com a conduta do profissional.

Resultados normais do hemograma completo em gestantes

  • glóbulos vermelhos (hemácias) – 3.800.000 a 5.200.000/mm3;
  • hemoglobina – 12.0 a 16.0 g/dL;
  • global de Leucócitos (glóbulos brancos) – 4.000 a 11.000 /mm3;
  • plaquetas – 140.000 a 450.000/mm3.

Resultados alterados do hemograma completo

Glóbulos vermelhos ou hematócritos altos podem ocorrer devido à desidratação; doença renal com alta produção de eritropoietina; ao baixo nível de oxigênio no sangue por um longo tempo devido à doença cardíaca ou pulmonar; policitemia vera; e ao tabagismo.

A contagem de glóbulos vermelhos ou hematócritos abaixo do normal, que ocasiona a anemia, pode ocorrer devido aos seguintes motivos:

  • doenças autoimunes, como lúpus eritematoso ou artrite reumatoide;
  • hemorragia;
  • insuficiência de medula óssea (por exemplo, a partir de radiação, infecção ou tumor);
  • doença renal crônica;
  • hemólise;
  • leucemia e outros cânceres do sangue;
  • infecções de longo prazo, como a hepatite;
  • má alimentação e nutrição, causando deficiência de ferro, folato, vitamina B12 ou vitamina B6;
  • mieloma múltiplo.

A contagem de glóbulos brancos abaixo do normal é chamada leucopenia. Pode ser devido à doenças autoimunes; insuficiência de medula óssea; e à doença do fígado ou do baço.

A contagem de glóbulos brancos acima do normal é chamada leucocitose. Pode ser devido à doenças infecciosas; doenças inflamatórias; leucemia; estresse físico ou emocional grave; e ao dano tecidual, (como queimaduras).

Valores baixos de hemoglobina podem ser devido à anemia de vários tipos e à perda de sangue. Gestantes normalmente apresentam valores mais baixos de glóbulos vermelhos e maiores de glóbulos brancos.

O que fazer quando o hemograma completo detecta anemia na gravidez?

A anemia é uma condição em que não há glóbulos vermelhos saudáveis em número suficiente para o transporte adequado de oxigênio para os tecidos do corpo, de forma a satisfazer as necessidades fisiológicas do organismo.

A gravidez incorpora um sistema que inclui mãe, bebê e placenta, existindo, assim, um trio que necessita de todos os nutrientes básicos para se sustentar. A gravidez normal origina muitas alterações na fisiologia materna, incluindo alterações nos parâmetros hematológicos.

A anemia é um dos problemas mais frequentes durante a gravidez e contribui para a morbilidade e mortalidade materna e fetal. A causa mais frequente de anemia é a deficiência de ferro. O hemograma completo é a análise clínica mais indicada para o diagnóstico de anemia, pois permite quantificar o número de glóbulos vermelhos e a concentração de hemoglobina no sangue da gestante.

Durante o acompanhamento pré-natal, a medicina laboratorial desempenha um papel fundamental no diagnóstico de patologias que podem afetar a mãe e o bebê. O hemograma completo é realizado logo no 1º trimestre da gestação, antes de 13 semanas, e, ao analisar as células sanguíneas da gestante, o exame permite avaliar o estado geral de saúde da mãe e a controlar possíveis alterações.

A anemia e a falta de ferro podem causar um impacto bastante negativo na saúde da gestante, como as seguintes condições:

  • insuficiência cardíaca;
  • hemorragia pós-parto;
  • predisposição para infecções;
  • atraso na recuperação pós-cesariana;
  • risco de embolia;
  • e o útero, com carência de ferro, pode ter pequenas fragilidades nas fibras musculares e dificuldade em contrair-se.

Nas mulheres grávidas, a anemia é definida quando a concentração da hemoglobina é inferior a 11 g/dL no primeiro e terceiro trimestre e inferior a 10,5 g/dL no segundo trimestre.

Falar pelo WhatsApp