Distúrbios hormonais também afetam os homens - Laboratório Verner Willrich

Por: - Farmacêutica Bioquímica - CRF-SC 3380
Publicado em 08/08/2019

Distúrbios hormonais também afetam os homens

Distúrbios hormonais também afetam os homens

Os efeitos causados pelas alterações e distúrbios hormonais nas mulheres já são bem conhecidos, especialmente, no famoso período de TPM (Tensão Pré-Menstrual) ou na menopausa. No entanto, elas não são as únicas afetadas pelos problemas hormonais: os homens também podem ser acometidos por essas disfunções, principalmente, com relação à testosterona.

Ouça este conteúdo:

 

A testosterona é o principal hormônio masculino, sendo um esteroide, isto é, formado a partir do colesterol. A produção ocorre nos testículos, com pico na adolescência, quando há o desenvolvimento de músculos, crescimento de pelos e mudanças na voz. Além disso, a testosterona influencia diretamente as questões de comportamento e desempenho sexual.

O controle do hormônio também está relacionado à prevenção de doenças cardiovasculares, diabetes e controle do estado mental. Por esse motivo, é muito importante realizar exames para avaliar os níveis hormonais, com o intuito de identificar se há, ou não, distúrbios relacionados à produção de testosterona.

Principais sintomas de distúrbios hormonais em homens

De maneira geral, os distúrbios hormonais em homens começam a surgir após os 40 anos, pois há uma queda na produção de testosterona. Assim, é ideal realizar exames periódicos a partir dessa idade. 

Contudo, alguns homens mais jovens podem apresentar sintomas relacionados aos distúrbios hormonais, sendo preciso realizar procedimentos para diagnosticar os problemas e prever a necessidade de reposição hormonal. Entre os principais sintomas, destacam-se:

  • perda de interesse sexual e disfunção erétil;
  • aumento de irritabilidade, ansiedade e depressão;
  • mudanças de humor constantes;
  • presença de espinhas e acnes;
  • cansaço excessivo e problemas de concentração;
  • dificuldades com a digestão e excesso de fome;
  • acúmulo de gordura corporal, principalmente, na região da barriga;
  • insônia e dificuldades para dormir.

A falta de testosterona nos homens é chamada de “deficiência androgênica”, ou somente “andropausa”. Se não tratada da maneira adequada, o distúrbio hormonal pode evoluir para complicações mais graves, como o câncer e problemas na hipófise. Por isso, é necessário verificar os níveis do hormônio em exames laboratoriais periódicos e manter em dia as consultas médicas.

Como prevenir a deficiência androgênica

Apesar da produção de testosterona cair normalmente a partir dos 40 anos, algumas ações simples podem ajudar a prevenir os distúrbios hormonais e o surgimento precoce da deficiência androgênica. A prática de exercícios físicos regulares, em conjunto com uma dieta saudável, rica em alimentos vitamínicos, pode contribuir para a prevenção dos problemas com a testosterona.

A ingestão de brócolis, linhaça, frutas secas e figo também contribui para minimizar os efeitos dos distúrbios hormonais, pois esses alimentos ajudam na regulação da produção de hormônios.

Além disso, recomenda-se evitar os fatores de risco, que incluem: 

  • o abuso de álcool; 
  • drogas e cigarro; 
  • ingestão de alimentos gordurosos; 
  • uso exacerbado de anabolizantes e 
  • suplementos orais com hormônios. 

Também é importante manter as consultas em dia e realizar os exames necessários, incluindo o de câncer de próstata.

É importante que todos estejam conscientizados sobre os problemas e distúrbios hormonais que afetam os homens, uma vez que eles podem ser fatores de risco para doenças mais graves. Por isso, compartilhe esse artigo com  amigos e familiares conheçam os sintomas e se previnam, com um estilo de vida saudável.

Inscreva-se em nossa newsletter

Receba mais informações sobre cuidados para a saúde em seu e-mail.

Material escrito por:
Farmacêutica Bioquímica - CRF-SC 3380

Adriana Helena Sedrez é farmacêutica bioquímica especialista em Microbiologia Clínica pela PUC-PR. Na LabVW, Adriana coordena o setor de Hematologia Clínica, é gerente de Recursos Humanos e responsável pelo Atendimento ao Cliente.