Quando fazer o exame toxicológico? - Laboratório Verner Willrich

Por: - Farmacêutica Bioquímica - CRF-SC 3380
Publicado em 08/08/2019

Quando fazer o exame toxicológico?

Quando fazer o exame toxicológico?

O exame toxicológico de larga janela é um procedimento usado para detectar o consumo de substâncias psicoativas, isto é, drogas, em um período de tempo mais longo do que o investigado nos exames de urina e sangue. Dessa forma, é possível analisar a presença de elementos tóxicos no organismo em um período de até 90 dias, por meio da verificação da queratina presente no cabelo, pelos das pernas, braços, peitos, axilas e, até mesmo, pelos pubianos.

Ouça este conteúdo:

 

Assim, o exame toxicológico é indolor, visto que o paciente deve somente fornecer uma amostra de cabelo ou dos pelos do corpo. Caso o doador fique impedido de doar a amostragem, o exame pode ser feito através da raspagem das unhas – que também não provoca dores.

A importância do exame toxicológico para motoristas

De acordo com a Lei 13.103, de março de 2016, também chamada de Lei do Caminhoneiro, motoristas habilitados nas categorias C, D e E são obrigados a realizar o exame toxicológico para: 

  • a obtenção da Carteira Nacional de Habilitação (CNH); 
  • alteração da categoria e 
  • a renovação do documento. 

A legislação prevê que o procedimento seja feito em larga janela de detecção, para avaliar se houve consumo de drogas em até 3 meses antes da coleta do material. 

Para os motoristas CLT, o exame deve ser feito em momentos específicos, como na contratação e desligamento do funcionário, em conformidade com a Portaria 116, de 13 de novembro de 2015, do Ministério do Trabalho. Essa legislação obriga todos os motoristas profissionais de transporte rodoviário de passageiros e de cargas. Para motoristas de táxi e aplicativos, como Uber, Cabify e 99, é necessário consultar a legislação municipal que regulamenta o exercício da profissão em cada cidade.

O relatório da United Nations Office on Drugs and Crimes (UNODC) diz que o uso não medicinal de drogas está se tornando uma ameaça à saúde pública e os opioides são os principais responsáveis, com cerca de 76% dos casos de óbitos. No trânsito, apesar dos avanços da Lei Seca, o álcool ainda é um dos principais responsáveis por acidentes, registrando cerca de 40 mil óbitos por ano, ao lado de outras substâncias que podem causar confusão e perda de consciência (incluindo, drogas lícitas e ilícitas).

Por esse motivo, é de extrema importância que os motoristas realizam exames toxicológicos. Ao avaliar a quantidade de substâncias no corpo, é possível evitar acidentes no trânsito envolvendo o próprio motorista, bem como outras pessoas. Além disso, é uma tranquilidade para empresas contratantes, que precisam ter a certeza de contratar profissionais que não tenham dependência de drogas e entorpecentes. 

Desde a promulgação da Lei do Caminhoneiro, a Polícia Rodoviária Federal já registrou a diminuição de 35% dos acidentes de trânsito, em relação ao ano anterior, 2015, quando a legislação não estava em vigor.

Como se preparar para o exame toxicológico

O exame toxicológico não precisa de nenhuma preparação. Isso quer dizer que não há necessidade de permanecer em jejum, ou adotar dietas específicas para o procedimento. Além disso, o uso de produtos capilares como gel, xampus, condicionadores e tinturas não influenciam no resultado do teste.

No exame toxicológico é possível detectar a presença e a frequência de uso das seguintes substâncias:

  • maconha e derivados da substância;
  • cocaína, crack e merla;
  • anfetaminas;
  • metanfetaminas;
  • ecstasy;
  • heroína, morfina e codeína;
  • oxicodona, anfepramona, entre outros.

Apesar de analisar inúmeras substâncias, o exame não detecta a presença de energéticos, antidepressivos, álcool, anabolizantes e calmantes. Os resultados ficam prontos em poucos dias e são enviados diretamente para o Denatran.

Agendar o check-up  nas unidades de Nova Trento, Blumenau, Brusque ou São João Batista, pelo formulário ou WhatsApp do LabVW. 

Inscreva-se em nossa newsletter

Receba mais informações sobre cuidados para a saúde em seu e-mail.

Material escrito por:
Farmacêutica Bioquímica - CRF-SC 3380

Adriana Helena Sedrez é farmacêutica bioquímica especialista em Microbiologia Clínica pela PUC-PR. Na LabVW, Adriana coordena o setor de Hematologia Clínica, é gerente de Recursos Humanos e responsável pelo Atendimento ao Cliente.