8 exames essenciais para quem tem obesidade - Laboratório Verner Willrich

Por: - Farmacêutica Bioquímica - CRF-SC 3380
Publicado em 03/12/2018 - Atualizado 04/04/2019

8 exames essenciais para quem tem obesidade

8 exames essenciais para quem tem obesidade

Como saber os efeitos da obesidade na sua qualidade de vida? Essa é uma questão muito importante para as pessoas que estão acima do peso ficarem mais atentas à sua saúde. A obesidade é fator de risco para diversas doenças mas, se bem monitorada, é possível cuidar do seu corpo e garantir seu bem-estar físico e emocional.

Por isso, se você sofre com distúrbios de peso é fundamental fazer um acompanhamento com um especialista e verificar como anda a sua saúde por meio de exames específicos para o controle da obesidade.

Confira a lista de exames para a obesidade que preparamos para você cuidar da sua saúde e evitar possíveis complicações.

O que é obesidade?

De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), atualmente, cerca de 27 milhões de brasileiros são considerados obesos. A obesidade se caracteriza como uma doença crônica e que está relacionada com uma série de outros problemas de saúde.

Por exemplo, o indivíduo obeso tem chances bastante elevadas de desenvolver:

  • hipertensão arterial;
  • diabetes;
  • doenças cardiovasculares;
  • tumores de intestino;
  • tumores de vesícula;
  • artrose;
  • artrite;
  • pedra na vesícula.

Além disso, a obesidade é um fator desencadeante para problemas psicológicos como a alteração da autoestima e depressão.

Sabemos que a obesidade é uma condição na qual o indivíduo encontra-se muito acima do peso, mas qual a diferença entre estar apenas acima do peso e ser considerado obeso?

Como saber que o sobrepeso virou obesidade?

O que apontar um indivíduo com obesidade é o cálculo do Índice de Massa Corporal (IMC), que pode ser feito pela divisão do peso (em kg) pela altura (em metros) elevada ao quadrado.

Por isso, caso o resultado seja superior à 30 kg/m2, o indivíduo será considerado obeso. A classificação de peso normal fica entre 18,5 até 24,9 kg/m2, e o apontamento para o sobrepeso se dá entre os resultados entre 25 e 29,9 kg/m2.

Além disso, o cálculo do IMC pode classificar a obesidade em três estágios:

  • obesidade leve (IMC: 30 a 34,9 kg/m2);
  • obesidade moderada (IMC 35 a 39,9 kg/m2);
  • obesidade grave ou mórbida (IMC maior de 40 kg/m2).

É importante entender o grau da obesidade em que uma pessoa se encontra, pois é por meio desse aspecto que o médico irá indicar o melhor tipo de tratamento.

Da mesma forma, para fazer o acompanhamento e o controle da obesidade, o médico especialista irá indicar uma série de exames para verificar o funcionamento do organismo de uma pessoa obesa. Esses exames poderão apresentar respostas sobre como está o metabolismo, hormônios e órgãos, que ajudarão a indicar o tratamento ideal, de acordo com cada situação.

Principais exames para quem tem obesidade

O controle da obesidade deverá ser acompanhado regularmente por um endocrinologista, nutricionista, cardiologista e qualquer outro profissional especializado nos problemas de saúde que podem decorrer da obesidade.

Assim sendo, de uma maneira geral, consideram-se importantes procedimentos laboratoriais para acompanhar a obesidade, os seguintes exames:

  1. eletrocardiograma e ecocardiograma: para verificar a incidência ou o andamento de doenças cardiovasculares;
  2. monitoração ambulatorial da pressão arterial (MAPA): para aferir a pressão arterial, que normalmente, encontra-se elevada no paciente obeso;
  3. medida da saturação de oxigênio (O2)/ avaliação da retenção de gás carbônico (CO2)/ polissonografia: medem os indícios da apneia do sono, muito frequente em pacientes obesos;
  4. aspartato aminotransferase (TGO)/ ultrassonografia hepática/ biopsia hepática/ alanina aminotransferase (TGP): essa combinação de exames é importante para verificar a esteatose hepática, ou seja, os altos índices de gordura no fígado;
  5. teste de tolerância à glicose (CTT): para verificar os índices do diabetes mellitus;
  6. TSH/ T4 livre/ anticorpos anti-tireoglobulina e anti-peroxidase: todos esses exames verificam o andamento do hipotireoidismo;
  7. radiografias de pés, joelhos e quadril: para avaliar as alterações ortopédicas ocorridas pelo excesso de peso corporal;
  8. Bateria de exames hormonais: androstenediona/ testosterona/ hormônio folículo-estimulante (FSH)/ hormônio luteinizante (LH)/ 17-hidroxiprogesterona (17-OHP) plasmática (basal ou estimulada por corticotropina)/ dehidroepiandrosterona (DHEAS) plasmática (basal ou estimulada por corticotropina): esses exames identificam alterações hormonais em pacientes obesos, como os motivos da irregularidade menstrual e identifica o hirsutismo, ocasionado pela presença do crescimento anormal de pelos em mulheres.

Esses são exames básicos para o controle da obesidade, mas, de acordo com cada caso, o especialista poderá ainda fazer suas recomendações específicas e solicitar outros procedimentos laboratoriais.

Caso você não seja obeso, mas sofre com problemas de peso, é muito importante fazer o acompanhamento prévio da obesidade, também por meio desses testes. A obesidade pode ser controlada e até revertida, mas o mais importante é manter sua qualidade de vida.

Já sabe escolher o seu laboratório de análises clínicas? Conte com o LabVW para realizar seus exames, pré-agende agora mesmo.

Material escrito por:
Farmacêutica Bioquímica - CRF-SC 3380

Adriana Helena Sedrez é farmacêutica bioquímica especialista em Microbiologia Clínica pela PUC-PR. Na LabVW, Adriana coordena o setor de Hematologia Clínica, é gerente de Recursos Humanos e responsável pelo Atendimento ao Cliente.