Teste de alergia: o que é e por que fazer - Laboratório Verner Willrich


Publicado em 26/07/2021

Teste de alergia: o que é e por que fazer

Teste de alergia: o que é e por que fazer

O teste de alergia é um exame bastante simples, indolor e eficaz para descobrir se o paciente possui algum tipo de reação alérgica. Quando o nosso corpo reage de maneira negativa a determinada substância, considerando-a estranha no organismo, ocorre o processo alérgico. Isso se tornou uma epidemia que acomete cerca de 30% da população mundial, e por mais que se conheçam quais são essas substâncias alergênicas, não se sabe a origem das reações.

 

Neste artigo, você vai conhecer o que é o teste de alergia, qual sua importância e quando ele deve ser feito. Confira:

 

O que é o teste de alergia?

O teste de alergia é um exame indicado para descobrir se a pessoa possui qualquer tipo de alergia de pele, alimentar, respiratória ou medicamentosa. Dessa forma, é possível iniciar um tratamento mais específico e de acordo com a frequência e intensidade dos sintomas, ou, se necessário, evitar certa substância.

 

Quando o teste é indicado?

Esse tipo de teste é indicado pelo médico quando o paciente apresenta sinais e sintomas de alergia, que são: coceira, vermelhidão na pele, inchaços pelo corpo, alterações gastrointestinais, coriza e espirros frequentes. Então, o médico pode indicar os exames mais adequados para serem feitos.

 

Quais são os tipos de alergia que existem?

Como mencionamos, a alergia nada mais é do que o nosso corpo reagindo negativamente a uma determinada substância que ele considera estranha ao organismo. No entanto, essas alergias são agrupadas em tipos, sendo a alimentar a mais comum. A reação acontece logo após a ingestão de determinado alimento, mesmo sendo em poucas quantidades. Leite, trigo, amendoim, ovo e camarão são alguns deles.

 

Dermatológicas

As alergias podem ser causadas por bijuterias, cosméticos e até mesmo o calor. A reação acontece quando a substância alérgena entra em contato com a pele, causando coceiras, vermelhidões e até mesmo feridas. No entanto, vai depender do grau de alergia que a pessoa tem.

 

Respiratórias

A alergia respiratória é bem conhecida: acontece através da inalação de ácaros, pelos e poeira. Como resultado, essas substâncias causam irritação no sistema respiratório e, por consequência, trazem consigo uma série de sintomas que incomodam, como espirros, falta de ar e coriza.

 

Medicamentosa

O outro tipo de alergia é a medicamentosa, e ocorre após a administração de remédios. Então, o que acontece no corpo é que o organismo pode ser sensível a algum componente do medicamento, agindo diferentemente do previsto.

 

Quais os exames disponíveis?

Existem exames de sangue que detectam as alergias, dentre eles, temos o IgE, que pode aumentar nos processos alérgicos. A dosagem de anticorpos IgE específicos é utilizado para a identificação do alérgeno responsável pelas síndromes clínicas mediadas por IgE, tais como alergia alimentar, alergia a venenos de insetos, anafilaxia, asma, conjuntivite, rinite e síndrome de alergia oral.

 

Exames IgEs

Os IgEs múltiplos são testes de triagem para a pesquisa de anticorpos contra painéis (mix) de diferentes alérgenos. Então, é indicado para a exclusão de alergia em pacientes com baixa a moderada probabilidade pré-teste da doença, ou quando não identificam um alérgeno desencadeante específico pela história clínica. Portanto, o painel de IgE múltiplo é selecionado com base no modo de exposição (inalação, ingestão de alimentos ou drogas, picada de insetos), tipo de sintomas (respiratórios, gastrointestinais, cutâneos, sistêmicos) e uma possível alergia envolvida (poeira, pelo de gato, leite, pólen, veneno de vespa, etc).

Uma vez detectados anticorpos IgEs no teste múltiplo, está indicada a solicitação dos testes específicos isolados que compõem o painel. A solicitação indiscriminada de testes IgEs múltiplos está associada com muitos resultados falsos-positivos, visto que a prevalência de sensibilização na população geral é maior que a prevalência de doença sintomática.

No entanto, existem outros tipos de exames diferentes para detectar as alergias. Então, o médico irá sugerir a melhor opção, que vai depender da intensidade e dos sintomas apresentados. Em seguida, conheça os tipos de exames que existem:

  • Teste de Prick: gotas de substâncias que podem causar alergia são pingadas no antebraço do paciente. Em seguida, com uma agulha, é picado na região das gotas. Se a pele ficou irritada, é sinal de que a pessoa é alérgica para aquela substância.
  • Teste de Contato: neste exame, é colada uma fita adesiva nas costas do paciente com uma pequena quantidade de substâncias alergênicas. Então, deve-se esperar até 48 horas e observar se surge alguma irritação na pele.
  • Teste Intradérmico: o médico aplica alérgenos na região subcutânea com uma agulha. Posteriormente, deve-se esperar até 24 horas para o aparecimento de reações alérgicas.

 

Teste A200

Esse tipo de teste avalia a resposta do sistema imunológico frente a mais de 200 alimentos.

 

Os alimentos analisados são:

 

  • Verduras e hortaliças: abóbora, abobrinha, acelga, aipo, alcachofra, alface, alho-poró, aspargo, batata, batata-doce, berinjela, beterraba, brócolis, canônigo, cebola, cenoura, champignon, cogumelo, couve, couve-de-bruxelas, couve-flor, chalota, escarola, espinafre, nabo, pepino, pimentão, rabanete, repolho, repolho roxo, rúcula, tomate e feijão verde.

 

  • Legumes: grão-de-bico, ervilha, fava, feijão branco, feijão vermelho, lentilha e soja/óleo de soja.

 

  • Produtos lácteos e ovo: beta-lactoglobulina, caseína, clara de ovo, leite/queijo de búfala, leite/queijo de cabra, leite/queijo de ovelha, leite/queijo de vaca e gema de ovo.

 

  • Peixes e mariscos: amêijoa, anchova, arenque, atum, bacalhau, besugo, gamba/camarão, escargot, caranguejo, carpa, cavala, caviar, dourado, enguia, lagosta, linguado, peixe navalha, lúcio, lula, merluza, mero, mexilhão, ostra, peixe espada, peixe-solha, percepes, polvo, robalo, rodovalho, salmão, sardinha, sépia, tamboril, truta, vieira e vongole.

 

  • Carnes: carne de avestruz, carne de cabrito, carne de cavalo, carne de veado, carne de codorna, carne de coelho, carne de cordeiro, carne de frango, carne de pato, carne de perdiz, carne de peru carne de porco e carne de vitela.

 

  • Frutas: abacate, abacaxi, alfarroba, ameixa, amora, amora-preta, arando vermelho, azeitona/azeite de oliva, banana, cereja, coco, damasco, figo, framboesa, groselha-preta, groselha-vermelha, kiwi, laranja, lichia, lima, limão, maçã, manga, melancia, melão, mirtilo, morango, nectarina, papaia, pêra, pêssego, romã, tâmara, tangerina, toranja e uva branca/uva preta.

 

  • Frutos secos: amêndoa, castanha de caju, avelã, amendoim, castanha portuguesa, noz, castanha do pará, macadâmia, uva-passa, pinhão e pistache.

 

  • Ervas e especiarias: açafrão, alcaçuz, alcaparra, alecrim, alho, anis, azeite de cardo, baunilha, camomila, óleo de canola, chá preto, chá verde, coentro, cominho, cravo-da-índia, curry, endro (aneto), erva-doce, estragão, folha de uva, gengibre, goji berries, hortelã/menta, louro, manjerona, manjericão, mostarda, noz moscada, orégano, pimenta branca/preta, pimenta vermelha, páprica, salsinha, salvia, semente de cânhamo, semente de chia, semente de papoula e tomilho.

 

  • Cereais e grãos: cevada (hordeum vulgare), arroz, aveia (avena sativa), cacau, cana-de-açúcar, cuscuz, centeio (secale cereale), trigo espelta (triticum spelta), glúten, semente de linho (linum usitatissimum), milho (zea mays), malte, millet (panicum niliaceum), quinoa (chenopodium quinoa), farelo de trigo, girassol/óleo de girassol, semente de sésamo (sesamum indicum), sêmola de trigo duro (triticum durum), mandioca/tapioca (manihot esculenta), trigo (triticum aestivum), trigo sarraceno (fagopyrum esculentum) e amaranto (amarantus).

 

  • Outros: agar agar, alga espaguete do mar, alga espirulina, aloe vera, café, canela, levedura de cerveja, levedura de pão, lúpulo, mel, cola/noz de cola e ruibarbo.

 

Informações sobre o Teste A200

  • Jejum: 4 horas

 

O estudo de intolerância alimentar é uma prova laboratorial que permite medir os níveis de Imunoglobina G, específica, frente a 216 alimentos diferentes. Por outro lado, em caso de alergia aos alimentos não existe nenhuma relação entre os de Imunoglobulina IgE e IgE específica frente aos mesmos alimentos. As alergias alimentares são reações clássicas mediadas por Imunoglobulinas E (IgE), as quais são conhecidas há tempos.

 

No entanto, as chamadas intolerâncias alimentares, mediadas por Imunoglobulinas G (IgG) são menos conhecidas, porque aparecem mais tarde e são menos evidentes que as alergias IgE, eventualmente, não sendo diagnosticadas ou sendo confundidas com outras patologias. Em muitas ocasiões, as pessoas convivem com elas e com todas suas consequências patológicas. Entre 20 a 35% da população sofre, em diferentes manifestações clínicas, dos efeitos derivados da sensibilidade a distintos alimentos. No entanto, está demonstrado cientificamente que existe uma melhora notável em uma alta porcentagem de pessoas quando há a retirada de alimentos, os quais apresentam níveis de IgG específicos acima da normalidade.

 

Os testes de alergia são extremamente importantes para descobrir se o paciente sofre de alguma reação. Então, se você suspeita de que alguma substância que esteja sendo rejeitada pelo seu corpo, contudo, entre em contato com seu médico para uma avaliação.

 

Gostou desse conteúdo? Então fique de olho em nosso blog para mais artigos como este. Até a próxima!

[contact-form-7 id="824" title="Newsletter" html_name="Newsletter Blog"]