Exame de DNA pode ser feito na gravidez? - Laboratório Verner Willrich

04.03.2018 | por

Exame de DNA pode ser feito na gravidez?

Exame de DNA pode ser feito na gravidez?

Sim. O exame de DNA pode ser feito na gravidez. Contudo, só é recomendado em alguns casos. Isso se deve ao fato de que todos os métodos tradicionais de coleta de material fetal são invasivos, oferecendo risco de aborto de até 1%, dependendo das circunstâncias envolvidas.

O DNA de cada ser vivo é único, independentemente do local em que se é coletada uma amostra. Desta forma, o exame de DNA pode ser feito a partir de qualquer célula e tecido, inclusive antes do nascimento do bebê.

Exame de DNA pode ser feito na gravidez de algumas formas

O exame de DNA pode ser feito na gravidez em um laboratório, que analisa o sangue, a saliva ou o fio de cabelo da mãe, do suposto pai, do filho, ou dos três.

Conheça os principais tipos de exame de DNA possíveis de fazer durante a gestação.

Teste de paternidade pré-natal

O teste de paternidade pré-natal pode ser realizado a partir da 9ª semana de gestação, através de uma pequena amostra de sangue da mãe, para a comparação com o material genético do suposto pai.

Teste de paternidade por amniocentese

O teste de paternidade por amniocentese pode ser realizado entre a 14ª e 28ª semana de gestação, através da coleta do líquido amniótico que envolve o feto, para comparação com o material genético do suposto pai.

Teste de paternidade por cordocentese

O teste de paternidade por cordocentese pode ser realizado a partir da 29ª semana de gestação, por meio da coleta de uma amostra de sangue do feto, através do cordão umbilical, para comparação com o material genético do suposto pai.

Teste de paternidade por vilo-corial

O teste de paternidade por vilo-corial pode ser realizado entre a 11ª e a 13ª semana de gestação, a partir da coleta de fragmentos da placenta, para uma comparação com o material genético do suposto pai.

O material genético do suposto pai pode ser:

  • sangue;
  • saliva;
  • ou fio de cabelo.

Nos casos em que o suposto pai é falecido, pode-se realizar o teste de paternidade utilizando amostra de sangue da mãe ou do pai dele.

Exame de paternidade pré-natal não invasivo

Este é o tipo de exame de DNA feito durante a gravidez que se caracteriza por ser menos invasivo. A técnica não traz risco de aborto e pode ser executada a partir da 8ª semana de gestação.

O exame de paternidade pré-natal não-invasivo pode ser realizado até o fim da gestação, utilizando apenas amostras de sangue materno colhidas em tubos especiais, e uma amostra de sangue do suposto pai.

Como é feito o exame de DNA na gravidez?

Como em qualquer outro exame de DNA, o realizado ainda durante a gravidez é feito a partir da separação do DNA do resto das células, por meio de detergentes e centrifugações. Em seguida, aplicam-se pedaços de DNA sintético, marcados com corante, que se ligam aos trechos a serem examinados.

Depois, em um processo chamado eletroforese, os pedaços de DNA são separados por uma corrente elétrica, de acordo com seu tamanho. Finalmente, um equipamento a laser faz a leitura dos corantes e produz uma imagem computadorizada que pode ser analisada pelos especialistas.

As imagens do DNA do suposto pai e do feto são comparadas. O resultado do teste de paternidade é 99,9% correto e, normalmente, fica pronto entre seis e 20 dias, dependendo do tipo de teste e do laboratório onde ele foi realizado.

Falar pelo WhatsApp